DISC e Resiliência

Começaremos com uma pergunta: é possível saber se uma pessoa é resiliente ou não, baseado em um gráfico DISC?

Não, o DISC não mensura resiliência, competências, energia e muito menos equilíbrio emocional, mede comportamentos e emoções observáveis.

Comportar-se de maneira contrária ao seu perfil/gráfico natural não é sinal de resiliência e sim de flexibilidade, a qual influencia a velocidade com que uma pessoa se adapta a mudanças. A resiliência seria a habilidade de voltar ao estado original, após o estímulo. A resiliência não está relacionada à nossa capacidade de sermos quem não somos, mas sim de voltarmos ao nosso estado normal, nossa capacidade de nos recuperar de adversidades, como um fracasso, por exemplo.

Uma pessoa pode ser muito flexível, adaptando-se rapidamente ao que o meio deseja, e ao mesmo tempo ser pouco resiliente, encontrando dificuldades para se levantar após uma queda, continuar caminhando frente a dificuldades, ou voltar à sua posição de maior conforto e rendimento, seu padrão comportamental natural. Para ser resiliente, primeiro é necessário ser flexível, porém ser flexível não garante ser resiliente.

Abaixo, algumas variáveis que provavelmente irão influenciar os níveis de flexibilidade e resiliência de uma pessoa:

  • Consciência de si mesmo
  • Controle de si mesmo
  • Aceitação da necessidade para ser diferente
  • Motivos para ser diferente
  • Vontade para ser diferente
  • Energia para ser diferente
  • Inteligência emocional

A rigidez de um padrão comportamental (pouca flexibilidade) e a resiliência de uma pessoa possuem uma relação muito maior com os itens acima do que com a intensidade de um fator DISC, mesmo porque, caso houvesse, seria recomendável um estudo que comprovasse isso.

Uma das principais qualidades de uma ferramenta DISC é não dizer que mensura o que o instrumento não possui capacidade para tal. Saber onde o instrumento começa e termina é fundamental para o correto uso e um melhor resultado para quem está sendo analisado.

A resiliência está fora do território analisado por uma análise comportamental DISC.

Autor: Alexandre Ribas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *